terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Uma mulher bate no namorado: o que você faria?


video platform video management video solutions video player

Carrie Keating: "é um problema sério neste país, os homens provocam mais danos quando batem mas as mulheres batem mais!"
já sabia que entre os casais adolescentes tugas não há diferença de género (30% deles agridem-nas fisicamente e 30% delas agridem-nos fisicamente); pensava que era porque o "comes e calas" já não tem adeptos e fui surpreendido por esta peça televisiva.

Estou a ficar velho e ultrapassado... está na altura de deixar estes assuntos para os mais jovens e melhor informados.

Por exemplo estes moços franceses:
Os homens espancados

a estranheza da modernidade espanhola: "ley contra la violencia de género" (2004)

sempre que se caça fantasmas, cabeças humanas são os únicos troféus que se leva para casa.
os espanhóis decidiram dar caça à violência de género, algo que não existe, pelo contrário, o que provavelmente há é harmonia de género (os homens batem menos nas mulheres do que seria normal nas situações de conflito, ler o artigo "Violência entre casais homossexuais é maior do que nos heterossexuais" e elas são menos cruéis do que seria de esperar). segue-se um artigo do "El País": 
Las denuncias falsas
MARÍA SANAHUJA 22/12/2008
Han pasado más de cuatro años desde que se inició el debate para valorar el impacto de las reformas legislativas que en materia de violencia doméstica había realizado el PP en 2003, y que continuó el PSOE con la ley contra la violencia de género en 2004. Se empezó a decir en voz alta que no se estaban respetando los derechos fundamentales de muchos ciudadanos en España, que las leyes aprobadas contribuían a aumentar el nivel de intensidad del conflicto en las parejas heterosexuales, provocaban dolor innecesario, suponían un despilfarro para el erario público y no conseguían atajar lo más mínimo el problema de la violencia extrema sobre las mujeres.
Se están produciendo abusos al aplicar la bienintencionada ley contra la violencia de género
Ahora podemos afirmar que el único avance en el respeto a las libertades fundamentales de todos que, de momento, hemos conseguido en esta materia, es que podamos hacer uso de nuestro derecho a la libertad de expresión. Se había instalado un pensamiento único que llevó a varias asociaciones a solicitar al CGPJ, en 2005, que me sancionaran y prohibieran hablar en público.
Expuse entonces que todos estábamos teniendo un comportamiento poco acertado. Me refería a jueces, fiscales, policías, abogados, periodistas y a muchas mujeres que utilizaban el Código Penal para obtener mejores condiciones en los procesos civiles de rupturas de parejas.
La presión mediática ha llevado a muchos profesionales a una reacción defensiva y de autoprotección ante el miedo a las posibles consecuencias personales. Así, jueces que han concedido prácticamente todas las órdenes de protección que les han solicitado por temor a que se les pudiera acusar de no haber tomado medidas, colapsando así los servicios administrativos de protección a las víctimas que difícilmente las pueden atender; fiscales solicitando en prácticamente todos los casos que se adoptara una orden de protección, normalmente alejamiento, muchas veces sin demasiadas pruebas y sin valorar que ello podía comportar pérdida de empleo si ambos trabajaban en la misma empresa, o dificultades para permanecer en una ciudad pequeña con el estigma de maltratador; policías que han procedido a la detención de miles de hombres sin más indicios que la sola afirmación de la denunciante, sabiendo que en uno o dos días serían puestos en libertad por el juez, y sin considerar el trauma que para algunos ciudadanos puede suponer pasar esas horas detenido, esposado y trasladado junto a delincuentes, todo por miedo a exponerse a un expediente disciplinario si luego ocurría un hecho luctuoso, ya que "ellos también tenían familias"; abogados que han recomendado la interposición de una denuncia por malos tratos porque se podía solventar en horas la atribución provisional del uso de la vivienda familiar, ya que la orden de alejamiento supone la expulsión inmediata de la misma, así como la fijación de una pensión de alimentos y la custodia de los hijos; periodistas que cuando se producía un hecho grave lo exponían de modo que culpabilizaban a todos los que de un modo u otro habían intervenido, y en ocasiones de manera sensacionalista (esto ahora ya no ocurre); y mujeres que, sin ningún escrúpulo ni respeto por las que están padeciendo situaciones terribles sin atreverse a denunciar, han abusado de lo que se les ofrecía, poniendo en marcha el aparato policial y judicial con fines espurios, en algunos casos inventándose directamente hechos que ni siquiera han ocurrido, pero con escaso riesgo de que ello pueda demostrarse, y se les exijan responsabilidades.
Pero no es la maldad de algunas personas la causante del problema. Lo tremendo es estructurar un sistema legal, y una aplicación de la norma, que permita a los perversos utilizar la organización colectiva para conseguir sus objetivos, causando daño a muchos otros (niños, abuelos, padres...), y se mantenga durante años a pesar de la evidencia de que no ha dado resultado. Mueren tantas mujeres como antes.
La ley integral contra la violencia sobre la mujer, aprobada por unanimidad por el Parlamento, era bienintencionada, pero los que formamos parte de la estructura judicial del Estado sabíamos que únicamente tendría desarrollo la parte referida a la modificación del Código Penal, con escasísimos medios y total falta de coordinación con otros profesionales (especialmente servicios sanitarios y sociales de cada lugar), pues la ley ni siquiera encargó a nadie el desarrollo de esta necesidad.
La consecuencia de atribuir a un órgano de cada partido judicial en exclusiva esta materia ha desorganizado la estructura judicial y colapsado los juzgados de violencia, que se han convertido en destinos que no quiere prácticamente nadie. Hemos consentido la detención de miles de hombres que luego, en su mayoría, han resultado absueltos, y probablemente habremos condenado a más de un inocente, en aplicación de unas leyes que, como la Ley de Enjuiciamiento Criminal, denomina "agresor" al denunciado, antes de iniciar cualquier investigación tendente a averiguar la certeza de los hechos. Y mientras tanto, la mayoría de las mujeres que sufren violencia extrema siguen en muchos casos padeciéndola en silencio, viendo cómo su causa ha sufrido el desprestigio por la acción de los que sólo las han utilizado para sus propios fines y aspiraciones. Es hora de iniciar de nuevo el debate en el Parlamento, y valorar los resultados del camino andado.
.
María Sanahuja es magistrada de la Audiencia Provincial de Barcelona y miembro de Jueces para la Democracia y la Plataforma Otras Voces Feministas

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

a memória de um lugar



Lanzarote, Dezembro de 2009

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

"quem quiser ver sempre meninos felizes, que se faça palhaço de circo" e não professor!

"Ler os clássicos é demasiado difícil, logo a culpa é dos clássicos. Hoje o aluno faz valer a sua incapacidade como um privilégio. Se não posso aprender uma coisa é porque há algo erróneo nela, e especialmente no mau professor que ma quer ensinar. Já não há critérios, senhor Zuckerman,  há apenas opiniões."
Philip Roth

acabar um bom livro é como acabar uma viagem, exige-se sempre um relato, um resumo, uma "memória".
ontem acabei um (de facto acabei dois, o que muito me entristece).
o texto pode ser simplesmente descarregado aqui, é um grande texto, indispensável leitura para qualquer professor e um complemento ao "O ‘Eduquês’ em Discurso Directo" de Nuno Crato.
deixo aqui o índice e algumas frases soltas.
 
Introducción……………………………………………….1
Defensa de la memoria y de los contenidos…………………4
La mentira de la motivación…………….............................9
La falacia de la igualdad…………………………………...13
La falsedad de la enseñanza obligatoria……………….….20
Las buenas intenciones……………………………………26
La buena educación………………………………………31
Por qué se debe estudiar filosofía…………………………35
Por qué no se debe estudiar religión en la escuela pública…39
La enseñanza participativa………………………………..47
La formación del profesorado…………………………….50

"a defesa de uma educação rigorosa é de esquerda";
"consulta-se o que já se sabe" (sobre a falácia do Google e dos trabalhos de "investigação" dos alunos da escola secundária);
"todo o professor que não entende o saber como um valor enganou-se no ofício";
"falar de qualidade enquanto o problema da indisciplina não estiver resolvido é um discurso vazio";
"apenas nos problemas sexuais a esquerda é mais pragmática do que a direita";
"quem quiser ver sempre meninos felizes, que se faça palhaço de circo" (e não professor!);
"ensinar parece-se mais com a arte de amar do que com uma ciência";
"a seita pedagógica já se infiltrou na universidade";
"estude-se filosofia como um antídoto contra a pedantearia" e "educar religiosamente é manipulação".

Merci

Desde os DCD até ao filmezeco hollywoodesco do Russell Crowe, tudo no que tocas parece transformar-se emocionalmente em ouro.
os deuses foram generosos em compensar a minha perda...


1. “Os trajectos do viajante coincidem sempre, secretamente, com as procuras iniciáticas que põem a identidade em jogo.”


“Não escolhemos os lugares predilectos, somos solicitados por eles. (…) Há sempre uma geografia que corresponde a um temperamento.” 

“Só nos tornamos nómadas impenitentes se instruídos na nossa carne nas horas do ventre materno, redondo como um globo, como um mapa-múndi. (…)
Cada qual dispõe de uma mitologia antiga criada pelas leituras da infância, pelas recordações de família, pelos filmes, pelas fotografias, pelas imagens de um mapa-múndi de escola pendurado ao fundo da sala de aula num dia melancólico.”
 

“Não há viagem sem o reencontro com Ítaca que imprime o verdadeiro sentido à deslocação.”



2. Lisa Gerrard


segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O que fazer 369 anos depois de "defenestrarmos " o gajo!

passar uns dias em Lanzarote...

 

é Espanholândia mas é bom e portanto nada de ressentimentos!

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

mas ela gostava de ter...

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Fonte da vida

Deram-me um presente inesperado, partilho-o. Acabou de me ser enviado por uma feiticeira grega que aprendi a admirar (Zoi - fonte da vida em grego ). Conhece-me bem e a sua mente de feiticeira lê o mundo de uma forma superior.
Vive hoje numa ilha do mar Egeu, honrou-me com o seu amor há mais de 12 anos durante a sua segunda larga permanência em Lisboa.

Diz que esta canção fala de mim.

"Zoi disse (20:02)
fala de pessoas como tu
Zoi disse (20:04)
solitarias, pessoas que notam a vita e os outros mas que sao intensivamente so"

Ecce homo

Merci

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Desculpem lá, estava a brincar!

Abraão levou o filho para o deserto.... Amarrou-o a uma árvore e acendeu uma fogueira debaixo dos seus pés.
De repente, uma voz diz:
- Abraão, Abraão, que é isso ?
- Senhor, Senhor eu estou sacrificando o meu filho, conforme a Vossa ordem !
- Não, Abraão, estava a brincar, eu só queria medir a tua fé !
- Mas Senhor....!
- Abraão, já te disse, agora é a sério, solta o menino !
- Mas Senhor como sei que agora não estais novamente a brincar?
- Mau, queres levar com o cinto Abraão? 
- Não Senhor, agora como a tua ordem me convém, sei que estais a sério!
E soltou o filho. O menino saiu disparado...correu, correu, correu, e Abraão gritava:
- Filho volte, filho volte, o Senhor libertou-te, estava a brincar!
O menino parou, longe, e gritou:
- Libertou o caralho velho fanático, se eu não fosse ventríloquo estava Fodido!

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Onde pendurar a porra do balde

Sempre tive uma atracção irresistível pela vizinha do apartamento ao lado. Vivia obcecado com a ideia fixa de possui-la,... de comê-la,...de traçá-la todinha!
Um dia, ao conversar com o marido dela ouvi este comentário: Preciso mandar pintar o meu apartamento, mas trabalho o dia inteiro e chego cansado. Tentei contratar um pintor profissional mas o tipo pediu-me os "olhos da cara!..."
Nesse momento o meu rosto iluminou-se pois a ideia que eu tive foi simplesmente brilhante!
- Não seja por isso vizinho! Estou de férias e pintar paredes é o meu hobby favorito! Posso fazer esse serviço prá você, com o maior prazer. O maridão aceitou a oferta e ficou feliz da vida.
Não é para me gabar mas, como sou "bom de papo", mal comecei a pintar o apartamento consegui levar aquele mulherão,... aquele aviãozão,... aquele monumento prá cama! Só que, azar dos azares,...estávamos nos preliminares e eu não esperava que o marido se tivesse esquecido dos documentos em casa e que por isso mesmo, tivesse que voltar justamente naquele momento!
A mulher, ouvindo o marido abrir a porta da sala, correu para a casa de banho e o gajo entra no quarto e encontra-me "peladão", no cimo do escadote dando umas pinceladas na parede.
Aos berros, ele perguntou:
- Que merda é esta pá?...
Começaste pelo quarto e,... todo nu?
- Ora,... estou pintando de graça, começo por onde quiser!
- Mas todo nu?...
- Queria que eu manchasse a minha roupinha nova com tinta?
- E de pau feito, cabrão?
- E onde é que eu vou pendurar a "porra" do balde?

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

quando a comida brinca com as crianças

o filho da puta do macaco é chato!

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O que umas fazem por (pouco) dinheiro outras não fazem por amor! III







"Worship of God, began with reverance for every man's semen, also each women's vagina and her sexual fluid..."

sémen e a prevenção do cancro, ver este trabalho e/ou este.
sémen como anti-depressivo ver este trabalho.

 
P.S.:
o facto de já ir no terceiro post sobre este assunto envergonha-me. este assunto é de uma tristeza extrema. é nestes momento que lamento profundamente ser cristão.
espero ficar por aqui. há muitos anos que fiz o meu trabalho de casa (post Ipost II), é a vez de outros fazerem o seu.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

O que umas fazem por (pouco) dinheiro outras não fazem por amor! II

Encontrei a frase do Ubaldo Ribeiro que inspirou a confissão "O que umas fazem por (pouco) dinheiro outras não fazem por amor", partilho-a:

"E nenhuma mulher sadia tem nojo do esperma, outra coisa que precisa ser bem esclarecida. Eu li não sei onde que alguns muçulmanos consideram ofensa suprema a mulher cuspir fora o esperma derramado em sua boca por seu homem. Eu concordo, é uma selvajaria, um sinal de baixa extracção, falta de formação, de classe, de cultura, de sofisticação. Cuspir o esperma só é admissível ou quando se quiser insultar um homem ou quando se quiser pô-lo em seu lugar: você pode ser bom para eu me distrair chupando seu pau, mas não é bom suficiente para eu engolir sua seiva, me recuso a devorá-lo, não dou às suas células essa intimidade com as minhas."


Pensem no que têm andado a fazer nas vossas vidas íntimas com os homens que amam.

Que raio de intimidade têm com eles se por 5 euros a mais, qualquer puta traga o sémem que vocês rejeitam?

pacto erótico

Michel Onfray em "A potência de existir" propõe a figura do pacto erótico, agora leio "Le souci des plaisirs" (gentil oferta catalã), recordo o conceito:

Pacto erótico é "essa configuração ética e estética (…) pressupõe contratantes à altura. A saber: contratantes esclarecidos quanto ao seu desejo, nem inconstantes nem vacilantes, nem hesitantes nem atormentados pela contradição que tenham resolvido os seus problemas e não carreguem com a sua incoerência, inconsequência e irracionalidade."

"Cada qual dá aquilo que pode: doçura, beleza, inteligência, disponibilidade, ternura, dedicação, paciência, cumplicidade, erotismo, sexualidade; um misto, uma série de configurações improváveis, todas elas figuras de estilo nominalista."

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

ateísmo cristão


a moral de raiz cristã impregna os entrefolhos mentais dos nossos irmãos. é desesperante ver como o actual ateísmo(*) esconde e depende dos valores da bíblia.

são libertinos e libertinas, aparentemente decidiram tentar viver mais em vez de tentar viver melhor mas todos se amesendam, glutões, à volta da moral  sem perceberem que viver mais não tem justificação moral, justifica-se pela  tragédia da condição humana:

"quase certamente" ser humano é SER entre dois ENORMÍSSIMOS nadas!

a consciência trágica devia dispensar-nos do respeito de TODA a moral e certamente que nos dispensa de seguir este derivado cristão fundado numa vida depois da vida...

nada disso, hei-los ora libertinos ora culpados. ambivalentes, sempre ambivalentes, como se temessem os excessos e a punição de Deus (inferno, reencarnação, karma, dioxinas, ...). serdes seres para a morte não vos devia bastar?

P.S.: para perceber o que significa, realmente, "quase certamente", ver http://en.wikipedia.org/wiki/Almost_surely

domingo, 1 de novembro de 2009

multifuncionais

não é grande elogio dizer que as mulheres são mais inteligentes do que os homens (as diferenças inter-individuais são enormes e as diferenças entre os géneros são pequenas).
mas se há algo que sempre invejei nas mulheres foi essa capacidade de fazer várias tarefas ao mesmo tempo e fazê-las bem (às vezes tento fazer duas tarefas ao mesmo tempo mas se não for capaz de priorizar uma delas é certo e sabido que faço merda em ambas).

vejam a eficiência deste menina, a perfeição que põe nas duas coisas que está a fazer:
conduzir o carro e...


in the car powered by YouPorn.



Saudações masculinas.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Diário de una ninfómana



"Sou uma mulher promíscua sim, porque pretendo utilizar o sexo como meio para encontrar o que toda a gente procura:
Reconhecimento, prazer, auto-estima, e em definitivo, amor e carinho.
O que há de patológico nisso?
Se quereis chamar-me alguma coisa, força, não me importa.
Mas saibei que o que sou de facto é uma nereida, uma dríada, uma ninfa, simplesmente.
- Olá.
- Olá.
-O quê?
- Queres subir à minha casa? Quero foder contigo.
- Mas, não tenho dinheiro.
- Não importa. É grátis.
Há uma lógica destruidora, é impossível que um homem que vá atrás de putas seja fiel.
- Valerie...Vive!"

P.S.: o filme pode ser visto na íntegra neste site
(escolher ecrã completo)

domingo, 18 de outubro de 2009

Aristarco Pederneiras

sábado, 17 de outubro de 2009

à ignorância só se pode opor o humor

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

para mim chega, desisto!


Pussy eating lesson powered by YouPorn.

caros amigos e amigas, desisto.
abre-se diante de mim um longo caminho de castidade e contemplação de Deus.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

carta aberta às mulheres de 40 anos

caras amigas:

no seguimento de um post anterior dirijo-me em primeiro lugar ás minhas amigas de 40 anos sem filhos e em menor grau a todas as outras mulheres de 40 anos. sois imensas, arriscaria que no espaço público da vida cultural de Lisboa sois o grupo maioritário.
não há cu que vos aguente!

(EM CONSTRUÇÃO)

“eu sou um pedófilo”: o affaire Polanski

I
Polanski vai morrer numa cadeia dos EUA e a filia da moda regressa à primeira página dos jornais. passou a crise económica, entra a filia dos outros. o génio que sobreviveu aos alemães campos de concentração para inocentes não sobreviverá aos americanos campos de concentração para culpados.
noutras tempos foi a sodomia a filia da moda, hoje toda a gente se enraba alegremente e ter levado no cu não vende jornais nem mobiliza as massas. mudam-se os tempos, mudam-se as vontades…

"a pedofilia nos jornais " arrefeceu nos últimos anos e já estava a estranhar a sua ausência. é que não desapareceram as motivações para fazê-la lá estar!
as minhas amigas não largarão tão facilmente a presa porque não parecem minimamente interessadas em esboçar qualquer alternativa comportamental (entenderão mais adiante o porquê desta frase)..

o grande texto do momento nos EUA é uma bizarra manipulação jornalística, "Lembrete: Roman Polanski violou uma criança" (artigo original). retiro dois parágrafos do excelente artigo da Ípsilon "Polanski, justiça ou anacronismo?", (ler):

1 - E a "blogger" prossegue: "Tenhamos em mente que Polanski deu Quaalude [um sedativo] e champanhe a uma menina de 13 anos, e que depois a violou, antes de discutirmos se a vítima parecia ter mais de 13 anos, ou se esta agora diz, porque não suporta a atenção dos media, que preferia que ele não fosse processado". Antes de "discutirmos quão excelentes são os seus filmes, ou o que o juiz, entretanto falecido, fez de errado no seu processo, reservemos um momento", sugere ainda Harding, "para recordar que, segundo o testemunho da vítima na audiência preliminar, Roman a instruiu para se meter nua num jacuzzi, recusou levá-la a casa quando ela lhe pediu que o fizesse, beijou-a apesar de ela dizer que não e lhe pedir que parasse, praticou 'cunnilingus' apesar de ela dizer que não e lhe pedir que parasse, pôs o seu pénis na sua vagina apesar de ela dizer que não e lhe pedir que parasse, perguntou-lhe se podia penetrá-la analmente, ao que ela respondeu 'não', e fê-lo na mesma, até atingir um orgasmo". Chegados aqui, quantos leitores estariam ainda dispostos a dar o menor benefício da dúvida a Polanski, ou a admitir que haja seja o que for de discutível neste sórdido episódio?

2- Acontece que Harding não inventaria factos, mas apenas uma escolha cirúrgica das declarações originalmente prestadas pela vítima na audiência preliminar à porta fechada. Quem ler as 38 paginas da transcrição do testemunho de Samantha percebe que uma das preocupações da entrevistada, talvez por razões de infantil amor-próprio, foi deixar claro que não era nenhuma rapariguinha inocente. Explica que já antes tivera relações sexuais e que consumira ocasionalmente álcool e sedativos idênticos ao que Polanski lhe deu, e que não vira nenhum problema em despir-se para ser fotografada. Também fica claro que não insistiu especialmente nas suas negativas aos avanços do realizador, por ter "algum receio" dele ["I was kind of affraid"]. E nunca se queixou que este a tivesse magoado, incluindo quando alegadamente a sodomizou.

acrescente-se a isto adolescentes de Los Angeles não são propriamente como as nossas e que ainda se vivia a ressaca dos anos 60 com o sexo livre como uma forma de libertação.

este assunto chateia-me solenemente. já há quase dez anos, aquando da primeira campanha que em Portugal desembocou na prisão de várias figuras públicas entre as quais deputados (o caso Casa Pia), me assumi como pedófilo. mas que pedófilo! como nunca tive relações sexuais com menores, nem sequer quando eu próprio era menor (coisa que, isso sim, bastante me envergonha!) e me considero bem normalzinho porque só fêmeas de aspecto fértil me atraiem, devo assumir como comum a pedofilia, pelo menos entre os homens. o primeiro que não se sentiu atraído por uma criança de 13 anos, mamalhuda e de minissaia quer atire a primeira pedra. porque a pedofilia é isso mesmo, uma filia e nada mais (é abusivo chamar-lhe parafilia quando falamos de uma mulher que tenha passado a menarca e desenvolvido os sinais sexuais exteriores de uma fêmea humana fértil).
o abuso de menores é outra coisa e tem de ser punido e os juízes devem distinguir o sexo com crianças do sexo com pré-adolescentes.
faça-se a experiência sem dizer a idade das mulheres e passe-se, a um grupo de sujeitos experimentais homens, fotografias em fato de banho de mulheres dos 13 aos 70 anos e veremos quantos não são pedófilos!
não percebo esta repulsa à pedofilia e a benévola tolerância a tantas outras formas de violência contra as pessoas, o facto de poder ser parte do "o pacote" da violência sexual contra as mulheres (o tráfico de mulheres e muitas formas de prostituição também o são) e da violência contra crianças, não explica este afã mediático no seu combate.

II
a lei já pune severamente o abuso de menores e acho bem embora me dê vontade de rir que agredir fisicamente e incapacitar para a vida uma criança dê uns anitos de prisão e alguma reprovação social, de 3 a 6 anos de prisão?, enquanto lamber-lhe o sexo leve ao ostracismo social e uma longa pena de prisão.
convenhamos que ter sexo com uma mulher sexualmente fértil há vários anos não é o mesmo que fazê-lo com um bebé.

duas perguntas me assaltam há 10 anos sobre este assunto: quem insiste nele e que pretendem os que conduzem as massas ululantes que carregaram os pedófilos ao cadafalso?

pelo que escrevi, não vejo os homens como os principais instigadores da revolução anti-pedofilia. alguns serão coniventes e outros cavalgarão a "onda de fundo" mas não os vejo a tomar as iniciativas que levem os perversos pedófilos à fogueira. nos que se sentem tentados a fazê-lo a solidariedade de género deve travá-los.
quando detinham o poder na esfera social os homens apenas legislaram contra o estupro e a violação enquanto placidamente autorizavam tudo o que é cão e gato fêmea a levar com a trouxa (veja-se a idade de casamento das raparigas nas sociedades arcaicas, ou na nossa até à bem pouco tempo!).
excluído o meu género resta-nos as minhas amigas de 40 anos com tempo e poder suficiente nos media e na política para se entregarem profundamente à saga persecutória.

se já temos o quem, resta saber o que pretendem.

é claro que uma parte das minhas amigas pretende essencialmente defender as crianças criança dos predadores sexuais e por isso bate-se também pela educação sexual nas escolas e pela monitorização das famílias disfuncionais. as outras, as que se batem apenas contra os pedófilos (podiam começar pelo próprio pai!), têm como motivação a inveja e o ressentimento.
ressentimento da dura realidade, os homens de 40 anos não querem as minhas amigas para companheiras nem embrulhadas em celofane, os homens de 40 anos, ainda atléticos, ainda viris, ainda com um longo período de fertilidade pela frente e financeiramente bem na vida (coisa que tanto atrai as mulheres de todas as idades) preferem-nas bem mais jovens e quando concedem numa relação com uma quarentona usam-na como objectos sexual a descartar assim que aparecer uma de 20 ou 30 anos disponível para algo mais sério (a ler "O animal moribundo" de Philip Roth).
é este ressentimento legítimo?
não é! como não o é em geral qualquer tipo de ressentimento. é uma emoção normal mas devemos raciocinar ao abrigo dela.
a segunda motivação é a inveja das adolescentes e das mulheres de 20 e 30 anos, essas vacas que vos roubam os homens que querem para vós, esses canalhas perversos que tanta tesão vos dão. como não ter inveja dessas ladras da nossa "boa comida"?
há alguma justificação séria para lançar um anátema sobre o relacionamento de um homem com mulheres muito mais jovens (é esta uma possível definição de pedofilia*)?
nem por sombras mas creio que a motivação inconsciente das minhas amigas nada tem de racional e pretende apenas reduzir a competição ao obrigar os seus alvos, os pedófilos, a ter vergonha de se relacionarem com mulheres muito mais jovens!

III
* procurem uma boa definição de pedofilia na rede caralho!, se confunde a filia com o abuso é uma má definição!
para mim é evidente que se um rapaz de 16 anos tiver sexo com uma rapariga de 13 não estamos perante um caso de pedofilia mesmo que a lei veja a coisa assim e que se um homem de 40 anos tiver uma relação com uma rapariga de 16 estamos claramente perante um caso de pedofilia que a lei não vê como pedofilia!
foda-se leitor(a), faz-te esperto(a) em vez de questionares "feito burro(a)" o texto que escrevo.
é claro que a lei portuguesa não pune filias e por isso a pedofilia não é punida em Portugal.
a ignorância é felizmente um caso curável.
aceita-se posts de boas definições desta filia/parafilia

domingo, 4 de outubro de 2009

No sé, veo a las sumisas como alguien tonto, sin caracter

(texto encontrado num fórum da Internet, autor anónimo)


"No sé, veo a las sumisas como alguien tonto, sin caracter", era la segunda vez que la chica que me acompañaba decia esas palabras.

Primero en el chat sobre BDSM donde nos conocimos, parapetados cada uno tras su nick, el mio para no variar el mismo que el actual (Sir_X), se ve que como Dominante soy de pocos cambios; ella con uno muy poético que no tenía nada que ver con lo que era o buscaba.

Nos conocimos, como no, en un chat de BDSM, donde tras superar un par de días de charla superficial y tonta; y que creo que los dos mantuvimos más por la poca actividad del chat en si, que no por que en dicho primer encuentro saltasen chispas entre nosotros.

Y es que en los meses calurosos de Verano y teniendo que aguantar cada uno en su ciudad a que nos llegasen la vacaciones (ella a principios de Septiembre y yo casi a finales), pues existian pocas cosas que hacer en ambas ciudades de calles casi desiertas despues del trabajo, sin tener muchos deseos de salir por el fuerte calor todavía existente en la calle por la noche y el poco ambiente dado que casi todo el mundo estaba de vacaciones y los bares, pubs y similares estaban o de vacaciones o cerraban a primera hora de la noche por falta de clientela.

Pues eso, ambos juntamente con personales "raros" de ese verano, nos refugiamos en nuestras casas, en donde los que teníamos suerte disfrutábamos de aire acondicionado y sino pues ventiladores y cerveza, para intentar soportar el intenso calor.

Fue asi como casi por aburrimiento, empezamos a charlar en el chat, primero en abierto, compartiendo conversaciones con otros, después pasando a "privado", y al final yendo directamente cada tarde a entrar en el "privado", creando nuestras propias salas en donde solo nosotros dos podíamos entrar.

Pues bien, en un par de semanas, las neuronas se juntan y decidimos quedar en un restaurante a más o menos, medio camino entre las dos ciudades, curiosamente situado en una ciudad mayor que las otras dos juntas.

Terreno neutral, exigencia de ella; solo para comer (no cena), exigencia de ella; nada de pedirle que fuese sin ropa interior o de forma rara, exigencia de ella; la comida se la paga cada uno su parte, exigencia de ella, y más cosas que exigia....., estuve a punto de sencillamente "enviarla a freir espárragos", pero supongo que el deseo de hablar con una posible sumisa, el poco ambiente de ese verano, que hacia meses que no me comia un rosco, ni "vaillina", ni "chocolate" ni de "fresa", vamos que no me comia un rosco desde antes de Semana Santa, hizo que transiguiese con todas esas condiciones que como Amo no debería permitir, pero me dije, como no es mi sumisa, que haga lo que quiera y por lo menos este Viernes (era festivo) me distraigo un poco.

Llegamos al resturante casi al unísono, tanto que me dio la impresión de que me estaba vigilando y al ver aparcar mi coche (un SEAT Toledo con arreglos deportivos), ella se acercase para aparcar su pequeño utilitario Citroën.

Aunque nos habíamos visto solamente en foto y conversado por teléfono, no en webcam; las fotos son siempre algo distintas de la realidad, y yo vi a una chica casi diez años menor que yo con blusa y falda discretas, pelo precioso casi hasta la cintura, un poco más baja que yo, pero con unos ojos marrores preciosos que lucian más bonitos aún con el pelo entre castaño y moreno.
Más bien delgadita en camino a tener algún problema dentro de unos años, vamos que le sobraba algún kilito, pero no se notaba demasiado, su juventud podía con todo.

Ella vio un Sr (ya no chico, por desgracia ya he pasado esta etapa), pues eso unos diez años mayor que ella con barba recortada, un poco canosa, ojos verdes con gafas, algun michelin en la cintura (ayyy!!! esas cervecitas) y que estaba fumando en pipa.

Nos presentamos en "real", mirandónos y buscando los puntos de similitud con las fotos, los puntos de discrepancia con las imágenes mentales, que cada uno de nosotros teníamos del otro.

Entramos en el restaurante, otra concesión mia, ya que tambien lo escogio ella; pero que sorpresa, estaba bastante bien y en donde con una pequeñas "mamparas" no muy altas, consiguian el efecto de que si en tu caso estabas comiendo en dos mesas, te pareciera que estabas en un reservado.

En nuestro caso, lo que hicieron, fue que debieron pensar que era una excursión amorosa, con lo que nos llevaron a una esquina del restaurante con lo que detras mio tenia una pared de bonita madera, detras de ella una de dichas pequeñas mamparas y a nuestro lado, tras un cristal, una playa rocosa, donde no era posible el baño y el mar con un poco de oleaje; la verdad que el sitio era bonito y se lo reconoci a ella.

Pareció agradecer mi cumplido con cierta reserva, timidez o desconfianza, no lo se, pero asi se quedo el tema.

-Oye, le dije durante la comida nos podemos llamar por nuestros nombres, el mio ya lo conoces, es Xavier, y ¿el tuyo?.

-El mio, dijo dudando unos segundos y mirando al mar, se volvió hacia mi y dijo "Paloma, mi nombre es Paloma". La verdad no digo que fuera mentira, pero vamos que muy creible no me lo pareció.

Escogimos la comida, la verdad la carta no muy variada, pero sorprendentemente de calidad al igual que la carta de vinos, no demasiado caro ni demasiado barato a juzgar por los precios de la carta, veríamos después al llegar el momento de pagar.

Una vez hubimos pedido y tras un trago de vermuth a que nos invito el restaurante (yo sigo pensando que se pensaban que eramos una pareja de enamorados escapados), me soltó de pronto nuevamente la pregunta:

-"No sé, veo a las sumisas como alguien tonto, sin caracter"

Yo, tras los dos primeros sorbos al vermuth y ver que el camarero me volvía a llenar inmediatamente la copa y dudando de si este había o no, oido la frase de mi compañera, busque inspiración dentro de mi y dije:

-Paloma, ¿has comprado algún regalo para alguién muy querido para ti, Padre, Madre, Hermano, Amigo o Amiga ?.

-Claro dijo ella, con cara de no entender a que venía mi pregunta.

-Paloma, continué, ¿en alguno de esas compras has empleado más de un día, te has dedicado a pensar que regalo podía ser el mejor para dicha persona, en como y que momento dárselo e incluso en vestirte de modo algo más especial al hacerlo, tipo si era en navidad o una fiesta de cumpleaños?

-Pues si, claro, volvió a decir ella y a veces no un día, más de una semana y todo.

-Bueno, pues dije yo, durante esa semana te has sentido "tonta, sin caracter", solo obedeciendo órdenes .... o ..... en cambio te has sentido libre pero ligada a escoger ese regalo, padeciendo por encontrarlo, pensando en que fuera lo mejor para esa persona, no queriendo ni imaginar que pasaría si alguien le comprase algo parecido, después te has arreglado, pintado y te has excitado como una niña para ver cual era la impresión que tu regalo le causaba y has sido muy feliz al ver que todos sus esfuerzos han conseguido una mirada, una sonrisa y un beso de la persona a la que le has comprado el regalo.

-Si me dijo Paloma, pero esto que tiene que ver con ......

-Pequeña le dije, "Sumisión" no es solamente dar azotes, atar, humillar y otras practicas DBSM, existe una quizá la primera que es el respeto, la obediencia y la admiración de la sumisa a su Amo, y si te das cuenta y solo como ejemplo, esas virtudes ya las llevas dentro de ti.

-Sus ojos se abrieron, y no creo que nunca en mi vida vuelva a recibir una mirada asi; las penitentes debían mirar asi a los dioses, las cautivas a sus salvadores, no lo se, pero aún hoy con los años transcurridos me impacta su recuerdo.

Seguimos comiendo y percibí que se había "roto el hielo entre nosotros", no es que ya hablásemos como conocidos o pareja desde hace muchos años, pero si que nuestra conversación tenía ese punto de confidencia, de confianza, que hace que hables y te mires de forma "especial".

Ella empezó a preguntarme más cosas sobre el mundo BDSM y yo a intentar responderle intentando aclarar sus dudas, me daba cuenta de sus dudas y sus miedos …..

- ¿Quién querrá a una sumisa sin experiencia" – me preguntó de pronto.
- Paloma, a cualquier Amo, le encantaría la posibilidad de poder enseñar a una sumisa, de ayudarla, de formarla; creo que es un regalo que nos gustaría a todos; un regalo de los dioses.
- Pero, si no tengo experiencia, ¿cómo sabré que debo hacer o no hacer?
- Primero de todo, no debes pensar en que debes hacer o en que no, piensa que el mundo BDSM es un paso más en las relaciones, y que solo funciona de verdad si se habla con confianza; es decir una cosa es una día jugar a Amo y sumisa, y otra cosa sentir la necesidad de ser "sumisa", reconocer dentro de ti esa necesidad y que….
- Si pero, ¿quién me escogerá a mi como sumisa?.
- Paloma, desde mi punto de vista y mi experiencia (no muy extensa, todo hay que decirlo), creo que es más bien la sumisa quién "escoge" a su Amo. Ella siente la necesidad de ser sumisa, siente que una relación convencional no la llena, que hay una parte de su "yo" que necesita el BDSM; se puede ofrecer a distintos Amos, pero solo aquel que llene esa necesidad, que haga realidad su sumisión será el que ella llamará "Amo". Creo que es más fuerte la necesidad de ser sumisa en una mujer, que en un Dominante; yo pienso que el Dominante se ve dominante, siente que lo es, con sus dudas, etc, pero la sumisa tiene esa necesidad que le cuesta reconocer o identificar.
- Si pero, un Amo ¿que cosas manda, lo hace siempre? y yo ¿siempre debo obedecerle?
- Veamos, no se es Amo y sumisa, las 24 horas, se siente que lo eres, pero cada uno tiene su libertad, que es lo esencial. Una sumisa, es sumisa de su Amo, por que desea serlo y desea complacerle.

Uf, Paloma no paraba de preguntarme cosas y yo intentaba contestar y preguntarle cosas sobre su vida, para conocerla, etc; pero ella seguía en sus deseos de conocer más y más; no es que no me gustase, pero en algún momento me sentía un conferenciante siendo entrevistado por una periodista.

Sus ojos se habían puesto brillantes, creo que por el vino que pedí (un Somontano, cada uno tiene sus gustos) y en el momento de los postres, que ella pidió y yo preferí solo café, casi con el camarero delante, Paloma me soltó:
- Sir_X, ¿me aceptarías como sumisa"
- Paloma, piensa, que eres joven, seguramente querrás un Amo que sea más de tu edad, que viva más cerca, etc

Ella siguió insistiendo y preguntándome si era su nula experiencia la que hacia que no la aceptase; me di cuenta que cuanto más la "rechazaba" como sumisa, más fuerte era el ofrecimiento que surgía en ella.
Sus miedos, sus dudas sobre si era o no sumisa, sobre si las sumisas eran tontas, habían sido despejados y ahora existía una necesidad de aceptación, de entrega.

- Mira, le dije, si quieres ser aceptada como sumisa, debes aprender a obedecer, ¿te ves capaz?.
Levantó los ojos, me miró de nuevo con esa mirada especial, y solo dijo "Si, Amo".
- No, no, aún no soy tu Amo, aún no te he aceptado.
- Lo siento, …, yo creí que, ….
- No creas, veamos si eres capaz de "sentir" que eres una sumisa; pensaba en ponerle un par de pruebas "tontas" para ver que hacia. Quítate los sostenes, le dije.

Me miró y me preguntó, si era una orden ya que eso para ella era morbo; le expliqué como pude que si ella obedecía una orden, sabiendo que era mi deseo, deseando complacerme y disfrutando con su obediencia, no era morbo, si no sumisión.

Si esperaba sorprenderme, lo consiguiño. Se levantó y tras la mampara, se desabrochó la blusa y todavía no entiendo muy bien como, en plan casi contorsionista se quitó los sostenes y se volvió a sentar, iba a guardarlos en su bolso, pero dije, déjalos encima de la mesa. No protesto, ni dijo nada y en ese momento apareció el camarero para preguntarnos si queríamos algo más, le dije que no y pedí la cuenta, la expresión del camarero al ver los sostenes, fue como para hacerle una foto, le tuve que pedir otra vez la cuenta para que se enterase.

- Bragas y zapatos.

Nueva mirada, pero nueva obediencia y las bragas y los zapatos pasaron a acompañar los sostenes encima de la mesa.

El camarero trajo la cuenta, pagué, teniendo que indicarle a camarero que ya estaba, dado que parecía una estatua mirando lo que había encima de la mesa y mirándola a ella.

Salimos, con el camarero plantado al lado de la mesa mirándonos y dejando en la mesa no solamente la propina, sino la ropa interior y los zapatos de Paloma.

Ella iba descalza y con la blusa bastante desabrochada, y sus pies debían sentir las piedras anchas que formaban un camino hacia el restaurante, pero no había protestado ni discutido.

- Vamos en mi coche, le dije, quiero comprarte unos zapatos que sean de mi gusto, ya que debes cuidar tus pies para mi y también un collar de terciopelo negro, que llevaras a partir de ahora, con tu nuevo nombre mel{Sir_X} (miel en catalán).

- Si, mi Amo, lo que usted desee.

Una sumisa acababa de abrir la puerta, asomarse y entrar al mundo BDSM.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Heinrich Heine

"A minha disposição é a mais pacífica. Os meus desejos são: uma humilde cabana com tecto de palha, mas boa cama, boa comida, o leite e a manteiga mais frescos, flores na minha janela e algumas belas árvores em frente da minha porta; e, se Deus quiser tornar completa a minha felicidade, conceder-me-á a alegria de ver seis ou sete dos meus inimigos enforcados nessas árvores. Antes da sua morte, eu, tocado no coração, perdoar-lhes-ei todo o mal que em vida me fizeram. Deve-se, é verdade, perdoar os inimigos – mas não antes de terem sido enforcados."

Heinrich Heine

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

o príncipe encantado

o príncipe encantado existe.
de facto existe pelo menos cinco príncipes encantados... e o erro é pensar que só há um! ...
é interessante enumerar os moços:
o primeiro aparece aos 16 anos. a moça está no pátio do liceu e lá vem ele, qual cavaleiro andante, rocker ou motard ou futebolista, lindo, sempre lindo. terá um fanico, as pernocas a tremer, a vagina que se baba… sim a menina está apaixonada, eis o homem que acredita será o seu homem para todo o sempre, até que a morte os separe. é claro que a puta da mamalhuda da carteira do lado o vai roubar e terá de curar esse mal de coração que durará anos até que virá o segundo; aparecerá aos 25 anos. a moça está no trabalho e lá vem ele, iupi, voraz, dinâmico, corretor de bolsa, homem seguro, demasiado seguro para a idade, lindo, ainda lindo.
o terceiro príncipe, o salvador dos sonhos, aparece aos 35 anos. a moça está na net, no trabalho, no supermercado, na creche, no mestrado e lá vem ele, calmo, amadurecido, responsável, dinâmico, homem seguro, de bem com a idade, atraente, bastante atraente de preferência culto, bom de vinhos e de cama.
o quarto aparece aos 45 anos, é o príncipe mais estranho. a moça está no café, na net, na praia, com as amigas num restaurante e lá está ele, 45 anos, desportivo, ainda viril, demasiado rejuvenescido para a idade, o compincha para viver ainda umas aventuras, na cama e fora dela. já não importa se foi ou é bem sucedido. já não é belo mas ainda é atraente.
finalmente virá o quinto príncipe, o reformado com genica, o príncipe para partilhar a cadeira junto à lareira, o amigo para fazer umas viagens. já não importa nada do que importou antes nos outros quatro...
1. o motard
2. o iupi
3. o homem realmente seguro
4. o eterno adolescente
5. o homem normal com saúde e vigor aos 60 anos
o ridículo é que todas me dizem que encontrarão um príncipe, um só, um que será um motard aos 16 e que aos 25 será iupi, aos 35 um homem realmente seguro, aos 45 um adolescente e aos 60 um velhote cheio de genica!
foda-se!
não terão cérebro ou os estrogénios têm vida própria?

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

11 de Setembro, areeiros de cima

Areeiros de Cima votou massivamente pela independência (96%) da Catalunya.

realizada dois dias depois do 11 de Setemdo ("la diada") e com os manifestantes da falange de visita à aldeia tinha de dar nisto, uma votação demasiado expressiva na independência.

na verdade acho que os "polacos" quando virem o que perdem em ser independentes serão bem mais comedidos na paixão pela liberdade.

mas é interessante, como notou um destes dias um amigo que as histórias das esquerdas e das liberdades passem tantas vezes pela Catalunya…

sábado, 12 de setembro de 2009

D/s, vamos?


todas as relações amorosas são, em maior ou em menor grau, relações de Dominação de um e submissão de outro (D/s) e as relações D/s são relações amorosas como outras quaisquer.
depois de um parágrafo tão tautológico é exigível uma explicação (aviso os espíritos BDSM mais inocentes que tautologia nada tem a ver com tautau tal como desabrochar nada tem a ver com tirá-Lo da boca).

simplificando, os Homens são animais sociais que se movimentam subjectivamente em espaços (esferas), a esfera social, a esfera íntima e a esfera sexual, cada uma delas com códigos e rituais próprios (esta não é de todo a minha praia teórica!). as relações de amor entre um homem e uma mulher* ocupam ostensiva e extensivamente as três esferas; sendo das mais completas, complexas e exigentes relações que o ser humano é capaz, os equilíbrios de poder são difíceis e desejáveis.
Mas que equilíbrio de poder?
evidentemente um equilíbrio subjectivo, nominalista e centrado num pacto erótico sinalagmático!
o que é equilíbrio para dois não é equilíbrio para todos; se uma das partes deixa de respeitar o pacto este considera-se imediatamente sem efeito desobrigando a outra parte ao seu cumprimento (característica básica dos pactos sinalagmáticos).
por outro lado creio que os seres humanos vêm geneticamente programados para um equilíbrio de poder que se reproduziu através das instituições sociais (casamento, machismo, fantasias teístas, etc…) que serviram bem os nossos antepassados e nos foram legadas como cimento da nossa intersubjectividade. a estrutura básica era simples:
a esfera sexual era do domínio da mulher que via o seu poder totalitário contrariado aqui e além por preceitos sociais machistas inaplicáveis ou pelo recurso igualmente inviável, a longo prazo!, à violação dentro do matrimónio.
a esfera íntima é, desde a caverna, uma esfera em que a mulher é senhora absoluta – consigo imaginar deliciado, dez mulheres Neandertal a tentar pôr-se de acordo com a disposição das pedras no solo da caverna ou a decoração do interior da coisa!
a esfera social era o domínio do macho, desde a porta da caverna até à barbárie da guerra. ah, a apetecível esfera social!
é evidente que o modelo tradicional entrou em colapso total e só vale pena perder tempo com ele porque a grande maioria das instituições sociais que o serviam continua activa e é modelo de base das nossas sociedades:
monogamia, fidelidade, paternidade presumida, casamento, amor romântico até que a morte nos separe como modelo comum e desejável para todos, etc…, um corrupio de barbaridades.
surpreende-me a lentidão com que se popularizam instituições sociais alternativas quando, pelo menos no Ocidente, as mulheres há mais de uma geração que obtiveram paridade total na esfera pública (a visualização estatística dessa paridade demorará ainda uma geração nalgumas zonas do sócius, é natural, é preciso remover de lá os nossos pais e avós).
espero ter deixado claro porque considero todas as relações de amor, entre um homem e uma mulher, relações de dominação e submissão com configurações assimétricas em função da esfera em que decorre a interacção.

obrigados a partilhar o poder com as suas parceiras amorosas na esfera social, para onde se vira agora a vontade de poder dos homens?
como reinventar o tão desejável equilíbrio entre dois parceiros amorosos?
para ser sério não sei responder a esta pergunta; suponho que cada díade resolverá à sua maneira este problema, tenho visto imensas soluções felizes e um corrupio de soluções infelizes. em geral as relações D/s enquadram-se no primeiro tipo. D/s, vamos?
mas vamos como e para onde?
vamos sob contracto, de látego em punho, felizes para sempre até que a morte nos separe?
era bom sim, teríamos descoberto a fórmula mágica, mas tenho más notícias.

nas últimas décadas começou a proliferar uma nova configuração de relações de amor a que se convencionou chamar relações D/s, configuração ancorada nos preceitos e regras da comunidade BDSM. relações de transferência de poder mais ou menos extrema da mulher para o seu parceiro. espero que estas relações se popularizem, agrada-me o carácter consciente e a clareza e liberdade dos pactos eróticos que as engendram. nesta configuração a mulher cede parte, ou a totalidade, do seu poder tradicional na esfera sexual e íntima. na esfera social a paridade tem de ser regra entre adultos livres e responsáveis. acho uma irresponsabilidade contratar relações de poder assimétricas na esfera social. ver transferências de poder no espaço público entristece-me tanto no modelo tradicional como noutro modelo qualquer.
mas as relações D/s, mesmo em casos extremos (estou aqui a pensar num contracto de escravatura consentida à semelhança de um "code noir" da Louisiana que regia as relações entre donos e escravos) não coloca os amantes ao abrigo do tempo, a realidade dura dos ritmos do desejo, a química do amor:
18 a 36 meses de paixão a que se segue o amor ou a extinção.
e sempre, sempre!, o sangue arrefece e os corpos aquietam-se.
pergunto agora, como pode um ser sobreviver ao amor depois de ter conhecido e provado a paixão, a entrega e a posse numa relação D/s?
como escapar à tentação de repetir tudo outra vez, deixando o território cálido bem conhecido para encontra tudo novamente noutro ser?
como aceitar um terceiro incluído numa relação que foi desenhada para dois?
como recalcar todos os estados de paixão nascentes?
parece-me pobre, o amor, só o amor, parece-me um estado de alma pobre, perdoem-me os corações românticos…



* é uma limitação severa deste texto, restrinjo-me a relações D/s entre homens e mulheres em que se dá transferências de poder da mulher para o homem de forma consciente e consentida.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

meia-noite

Uma lagoa de prata,

um cálice de vinho dourado.

Cheguei em desassossego,

não partirei enquanto não estiveres comigo.


Escreveste à mãe dos homens

e lhe disseste da decepção

de teres nascido

na noite, a meio da noite.


Querias perguntar-lhe quem és

quem andas a enganar

e não passaste dum suspiro d'assentimento

tu, homem-lobo num fato de fogo,

enquanto os dias dão lugar (pacificamente)

à poesia e ao delírio

aos soluços e à noite dos homens

tu, quem és tu?


(É meia-noite e a meio da noite

já se acredita até na madrugada...)

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

os homens ficam menos inteligentes após falar com mulheres atraentes

infelizmente é verdade, o que dá uma terceira razão para os homens continuarem a criar gajas boas*.

no artigo "Interacting with women can impair men’s cognitive functioning" publicado no Journal of Experimental Social Psychology, lemos esta triste verdade.

o resumo:
"... mixed-sex interactions may temporarily impair cognitive
functioning. Two studies, in which participants interacted either with a same-sex or opposite-sex other,
demonstrated that men’s (
but not women’s) cognitive performance declined following a mixed-sex
encounter. In line with our theoretical reasoning, this effect occurred more strongly to the extent that
the opposite-sex other was perceived as more attractive (Study 1), and to the extent that participants
reported higher levels of impression management motivation (Study 2). Implications for the general role
of interpersonal processes in cognitive functioning, and some practical implications, are discussed."

aqui podem consultar o artigo

contudo escapou um pormenor importante aos cientistas:
não há homens pouco atraentes em Portugal, as portuguesas é que bebem menos do que deviam...

* num post anterior escrevi:
"porque insistem os Homens em construir gajas boas?
antes de mais porque são e sempre foram gozadores de focinho de porco, estão longe de ser gourmets sexuais e depois porque a asneira é livre!"

domingo, 6 de setembro de 2009

lida da casa

vou tomar café à Brasileira do Chiado.
es
tive a aspirar a casa e a lida da casa perturbou-me!
ago
ra terei de ir espancar uma mulher para recuperar a masculinidade desvanecida pelo uso da vassoura, do pano e do aspirador.
por isso pobre rabo que
se cruzar à minha frente na Brasileira!
ai ai!
dois
dias de ui ui ui ao sentar-se!

a propósito, conhecem a história do passarinho Ui Ui ?
era u
m passarinho muito lindo que cantava muito bem e voava maravilhosamente mas ao pousar em vez de cantar piava de forma aflitiva:
ui ui ui ui ui
ui…



passarinho Ui Ui fêmea






passarinho Ui Ui macho
(a parte pintalgada são os tomates)

gajas boas

acaba o Verão e lentamente, da mesma forma que se extingue a flauta do Deus Dionísio, começa a decrescer o rácio de gajas boas (GBs) por gajas normais*.
e é fácil perceber o porquê desta diminuição, basta aprofundar um pouco mais conceito de gaja boa (GB).
gaja boa é uma noção fluida (há duas horas que penso numa axiologia minimamente consistente e nem vislumbre dela). ser gaja boa é antes de mais ser reconhecida como gaja boa.
antes de mais uma GB é uma gaja que crê ser uma gaja boa, é reconhecida pelas outras gajas como uma GB e tem algum feedback masculino, a saber, é atraente, é desejada na rua e já foi capaz de seduzir alguns homens reconhecidos como atraentes [aqui já estamos em terreno pantanoso, qualquer mulher com um bom waist-hip ratio, um rosto bonito, uns seios bem feitos, etc…, consegue produzir o mesmo efeito sem ser uma GB].
fixemos então que ser uma gaja boa é apenas sentir-se uma gaja boa.
mas o que é efectivamente uma gaja boa? como é a génese da sub-espécie?
não há geração espontânea de GBs. os responsáveis são a mamã, o papá da menina e a baixa autoestima sexual dos homens portugueses (desconhecem o poder que tem um corpo de macho, um corpo bem treinado, umas mãos hábeis e uma língua destra sobre uma mulher), sempre pródigos em salamaleques perante a remota hipótese de aconchegarem o seu José Tranquilino,, entre as coxas de uma mulher (de preferência as de uma GB).
Mas como todas as mulheres sabem uma gaja boa é quase sempre uma construção temporária, resulta de horas de caros cuidados diários e de anos de treino em esconder os defeitos físicos; rugas, veias salientes, um narizes aduncos, mãos feias, pés ossudos, celulite, cintura demasiado larga, pouco rabo, varizes, cabelo estragado, cabelo branco, dedos tortos, pernas demasiado finas ou demasiado grossas, lábios demasiado finos, etc…, uma infinidade de defeitos que reduzem rapidamente uma GB a uma gaja normal após a primeira sessão de cama. a intimidade é como o algodão, nunca engana!
acrescente-se ao acto de esconder os defeitos o de sobrevalorizar os sinais sexuais exteriores e não é nenhuma surpresa que quando acabam as férias e o Deus deixa de soprar a sua flauta comece a diminuir o número de gajas boas.
desmorona-se a construção. um libertino, um gourmet sexual (GS) não dá preferência às gajas boas, pelo contrário, com saudáveis excepções, tende a evitá-las.
e porquê?
são caras?
são difíceis de seduzir?
não, pelo contrário; há gajas boas para todas as bolsas e qualquer sedutor sabe que é mais fácil seduzir uma mulher que se considera atraente do que seduzir uma que não se considera atraente.
o gourmet sexual (GS) evita as gajas boas pela simples razão que propiciam pouco prazer na intimidade, porque são quase sempre fraquíssimas amantes quando não são mesmo casos clínicos, anorgásticas ou frígidas (há vários trabalhos que mostram que as mulheres mais atraentes têm menos relações sexuais, apesar da muito maior oferta de parceiros e tiram daí menos prazer que as mulheres menos atraentes). não sei explicar o porquê deste dados estatísticos, mas diria que não há boa amante sem sensibilidade e inteligência e em geral estas duas qualidades estão muito sub-representadas na categoria GBs mas admito que posso estar errado, de todo não é esta a minha praia.
a pergunta sacramental que homens e mulheres se deviam fazer quando se cruzam em algum lugar é:
quanto prazer me pode dar este ser?
a experiência mostra-me que as gajas boas ficam quase sempre bastante mal nesta fotografia, têm libidos objectais débeis** e libidos narcísicas fortes. são uma fonte de problemas e não de deleite para o homem-espelho que escolherem.

porque insistem os Homens em construir gajas boas?


antes de mais porque são e sempre foram gozadores de focinho de porco, estão longe de ser gourmets sexuais e depois porque a asneira é livre!



* rácio vem de razão, relação entre dois conjuntos, calcula-se fazendo a divisão entre o número de elementos de um conjunto e o número de elementos do outro. se por exemplo há uma gaja boa e uma gajas normal o rácio será 0.5 (50%); se há uma gaja boa e três gajas normais o rácio será 0.25 (25%).


** "É, (…) em Sobre o Narcisismo: uma introdução, que o conceito de narcisismo é inserido no conjunto da teoria psicanalítica, (…) Freud discute a possibilidade que a libido tem de reinvestir o ego desinvestindo o objecto. (…) quanto maior o investimento no objecto, mais se dá a retirada da libido sobre o sujeito e vice-versa.


P.S.: por definição uma mulher bela não é forçosamente uma gaja boa [basta que não acredite ser uma GB e automaticamente não o é]. é aliás curioso constatar que mulheres belíssimas não se consideram gajas boas e autênticos estafermos despidos sejam gajas boas.


P.P.S: as feias que lerem este post e ficarem deliciadas, não se precipitem já. um GS evita as feias, são difíceis de levar para a cama e é impossível tirá-las de lá!






quinta-feira, 27 de agosto de 2009






sou de facto um invejoso, como um nen petit, não posso ver nada quero-o logo!

ver WHR

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Tanto Mar

é curioso como quase todos os brasileiros desconhecem Portugal, enquanto nós, todos!, nem sempre pelas melhores razões, nos interessamos sempre pelo Brasil…

Chico Buarque canta os cheiros de Lisboa, no rescaldo da revolução de 25 de Abril de 1974 (a revolução dos cravos), os cheiros que o Brasil desconhece, versão I:


Tanto Mar (versão I)


Sei que estás em festa, pá
Fico contente
E enquanto estou ausente
Guarda um cravo para mim


Eu queria estar na festa, pá
Com a tua gente
E colher pessoalmente
Uma flor no teu jardim


Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei, também, quanto é preciso, pá
Navegar, navegar


Lá faz primavera, pá
Cá estou doente
Manda urgentemente
Algum cheirinho de alecrim


in http://www.youtube.com/watch?v=hdvheuHhF2U


depois o sonho acabou e ficou a poesia e o cheiro a alecrim:


Tanto Mar (versão II)


Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
E inda guardo, renitente
Um velho cravo para mim

Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente
Nalgum canto do jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também quanto é preciso, pá
Navegar, navegar

Canta a primavera, pá
Cá estou carente
Manda novamente
Algum cheirinho de alecrim


Canta a primavera, pá
Cá estou carente
Manda novamente
Algum cheirinho de alecrim


in http://www.youtube.com/watch?v=V7JXlmE60r0


as duas versões desta canção encerram um hino à política, uma lição para todos os radicais de esquerda… ensinam a necessidade de fazer política, aceitar a desilusão e temperar a utopia com pragmatismo que o mundo pertence a todos! e claro, mostram a enorme inteligência do Chico.

a primeira canção celebra a revolução que durou desde o golpe de estado militar de esquerda de 25 de Abril de 1974 até ao contra-golpe militar burguês de 25 de Novembro de 1975 (felizmente não temos vocação para guerras civis e quando chegámos perto de nos começarmos a matar uns aos outros, os militares, como sempre, revelaram bom senso e fizeram um novo golpe de estado); esse novo dado, a contra-revolução, é integrado na segunda versão (nota de http://umaespeciedemim.blogspot.com/2009/04/35-anos.html )


p.s..: Chico faz referência ao “Fado tropical”, http://www.youtube.com/watch?v=8-XlSaxYC9k&feature=related que o espanhol Carlos Saura recupera no filme “Fados”, http://www.imdb.com/title/tt1056422/ .