segunda-feira, 29 de abril de 2013

Carpe diem (Ode a Leucónoe)


Não indagues, Leucónoe, ímpio é saber,
a duração da vida que os deuses decidiram conceder-nos,

nem consultes os astros babilônicos:
melhor é suportar tudo o que acontecer.

Quer Deus te dê muitos invernos, quer seja o derradeiro
este que vem fazendo o mar Tirreno cansar-se contra as rochas,

mostra-te sábia, coa os vinhos, corta a longa esperança, que é breve o nosso prazo de existência.

Enquanto conversamos, foge o tempo invejoso.

Desfruta o dia de hoje, acreditando o mínimo possível no amanhã.
Horácio















Tradução de Péricles Eugênio da Silva Ramos e  adulterada por mim...
Adicionar legenda
 






Tu ne quaesieris, scire nefas, quem mihi, quem tibi finem di dederint, Leuconoe, nec Babylonios temptaris numeros. ut melius, quidquid erit, pati.
seu pluris hiemes seu tribuit Iuppiter ultimam,
quae nunc oppositis debilitat pumicibus mare Tyrrhenum: sapias, vina liques et spatio brevi
spem longam reseces. dum loquimur, fugerit invida aetas: carpe diem quam minimum credula postero.


sexta-feira, 12 de abril de 2013

O corpo é a grande verdade


"Tu dizes «eu» e orgulhas-te desta palavra. Mas há qualquer coisa de maior, em que te recusas a aceditar, é o teu corpo e a sua grande razão; ele não diz Eu, mas procede como Eu. Aquilo que a inteligência pressente, aquilo que o espírito reconhece nunca em si tem o seu fim. Mas a inteligência e o espírito quereriam convencer-te que são o fim de todas as coisas; tal é a sua soberba.
Inteligência e espírito não passam de instrumentos e de brinquedos; o Em si está situado para além deles. O Em si informa-se também pelos olhos dos sentidos, ouve também pelos ouvidos do espírito.
O Em si está sempre à escuta, alerta; compara, submete; conquista, destrói. Reina, e é também soberano do Eu. Por detrás dos teus pensamentos e dos teus sentimentos, meu irmão, há um senhor poderoso, um sábio desconhecido: chama-se o Em si. Habita no teu corpo, é o teu corpo.
Há mais razão no teu corpo do que na própria essência da tua sabedoria. E quem sabe por que é que o teu corpo necessita da essência da tua sabedoria?"

Nietzsche, in Assim Falava Zaratustra

quinta-feira, 4 de abril de 2013

A pílula, esse desastre


A partir de leituras e da experiência já me tinha apercebido que a pílula anti-concepcional era um desastre para as mulheres de líbido débil porque lhes mantém a líbido em níveis baixos durante todo o ciclo menstrual. Na prática é como se estivessem sempre hormonalmente grávidas.
Hoje o público traz um artigo brutal sobre o assunto, atente-se na conclusão:
"... a contracepção hormonal diminui o desejo sexual das mulheres: “a frequência com que estas mulheres têm relações sexuais diminui de 12 para oito vezes por mês”. Além disso, parece haver “relações directas” entre a contracepção hormonal, a perturbação do desejo, a aversão sexual e as experiências sexuais indesejadas. Ou seja, “93% das participantes vítimas de violação apresentam disfunção sexual e aquelas que usam contraceptivo hormonal têm uma probabilidade 2,6 vezes superior de vir a sofrer de diminuição do desejo sexual, quando comparadas às que recorrem a outro método contraceptivo”".

Há uns tempos o Paulo Ribeiro Claro, publicava na SPQ, "A Química do amor".
Cito-o:
"Até recentemente assumia-se que na espécie humana o processo de selecção de parceiros era baseado essencialmente em estímulos visuais. No entanto, hoje já é mais ou menos consensual na comunidade científica que a espécie humana também tem a capacidade de distinguir o genes do parceiros através do cheiro e que a visão pode ter um papel mais secundário (A. Comfort, Likelihood of human pheromones, Nature 230 (1971) 432; A. Weller, Human pheromones – Communication through body odour, Nature 392 (1998) 126-127; K. Stern, M.K. McClintock, Regulation of ovulation by human pheromones, Nature 392 (1998) 177-179 ; A. Motluk, New Scientist, 7 (2000).
Pelo menos esta é a conclusão do teste das camisolas suadas, realizado em 1995 (C. Wedekind, T. Seebeck, F. Bettens, et al. MHC-Dependent mate preferences in humans, Proceedings of the Royal Society of London Series B-Biological Sciences 260 (1995) 245-249). Nesta experiência, um grupo de mulheres foi convidada a cheirar camisolas usadas por diferentes homens durante dois dias, manifestando depois a sua preferência. A preferência foi sempre pelos homens com perfis MCH bastante distintos dos próprios, ou seja, pelos parceiros mais adequados geneticamente.
Um resultado algo perturbador neste estudo foi o facto de as mulheres que tomavam a pílula no momento do estudo terem demonstrado preferência por odores correspondentes a perfis genéticos idênticos aos seus. É sabido que as fêmeas de rato, após engravidarem, voltam a preferir a acompanhia de indivíduos geneticamente próximos (irmãos, pais, primos... o que faz sentido em termos de protecção dos genes da família).
Embora o paralelismo deva ser feito com reservas, é possível que a pílula – ao simular na mulher alguns efeitos da gravidez – induza a mulher a preferir a companhia de indivíduos geneticamente próximos. Ou seja, dada a importância do contacto social na escolha de parceiros, a pílula pode induzir a mulher a escolher parceiros “errados”..."